Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Segunda tentativa de ordenação


INTRODUÇÃO

Apresentação dos a) objetivos, b) métodos e c) resultados esperados, seguindo o caminho teórico aberto por Consuelo Albergaria (1977), Kathrin Holzermayr Rosenfield (1993), Francis Utéza (1994) e Maria Zaira Turchi (2003): a) estudar o “sertão” como espaço imaginado e definir seus limites, as trajetórias das imagens que o compõem e elaborar um “mapa” imaginário do espaço de acordo com a fala de Riobaldo; b) mitocrítica e mitanálise com pretensões de topoanálise do discurso de Riobaldo e c) identificar as trajetórias das imagens, seus regimes, limites e origens míticas e materiais, propondo uma nova leitura do espaço.

CAPÍTULO I: OS TRAJETOS ANTROPOLÓGICOS DO IMAGINÁRIO

1 A história

Remontar a composição dos fatos, contemplando as “interferências” discursivas no ato de contar.

2 O mito

Apresentar o mito como elemento possível graças à mecânica relativista einsteineana, dentro do Novo Espírito Científico.

3 A Imagem e a imaginação

Considerar as imagens e a imaginação, bem como os sonhos e os devaneios como “realidades” para o homem.

4 O Imaginário

Com base no estudo das trajetórias antropológicas das imagens, proposto pó Gilbert Durand, esclarecer em que consiste esse método de análise.

5 Os regimes da imagem

Definir sucintamente os regimes em que Durand divide as imagens.

5.1 O Regime diurno

A antítese: o enfrentamento do tempo.

5.2 O Regime noturno

Os eufemismos: a tentativa de convivência com o tempo.

6 Os Trajetos das imagens

Inventariar os percursos das imagens e de suas significações.

7 A Mitocrítica e a mitanálise

Propor analisar o espaço encaixando-o na história mítica das imagens.

8 A Topoanálise

Propor o mapeamento imaginário do espaço-sertão.

CAPÍTULO II : O GRANDE SERTÃO VEREDAS E O ESPAÇO SERTÃO

1 O Espaço sertão

Exposição da base física e da projeção imaginária e mítica.

2 A Invenção do espaço

A Construção discursiva hegemônica sobre os diversos espaços do ser.

3 A Invenção da Nação

A pátria geográfica.

3.1 As interpretações dualistas e suas críticas

A tradição da leitura literária da brasilidade sob a perspectiva das dicotomias litoral/interior; moderno/arcaico; urbano/rural e outras.

3.2 Os intérpretes do Brasil

A tradição das ciências sociais no Brasil, desde seus primeiros passos, nos anos 30 e 40, na USP, com a presença de professores estrangeiros como Claude Lévi-Straus, Roger Bastide e outros.

4 A Invenção da Tradição

A academia legitima o discurso hegemônico e estabelece a interpretação dominante sobre o espaço.

5 A invenção do sertão

O discurso hegemônico, ao definir o que é o Brasil, também o faz por exclusão. Optando pela tradição européia, ainda que em forma de cópia, desloca para o “sertão” o que “não confere” com o conceito que se pretende para o Brasil. Se o Brasil é moderno e culto e está inserido na civilização ocidental, o sertão é o contrário disso. Outlier.

6 O Sertão imaginado

Mudando a perspectiva, passando da racionalidade do velho espírito científico para a uma abordagem que ser pretende mais abrangente, o “sertão” passa a ser o centro de irradiação da brasilidade, repositório do imaginário “autêntico” das múltiplas tradições, ocidentais e orientais, racionais e imaginárias.
 
7 Os marcadores do sertão

Identificar os sinais que fazem com que se reconheça uma “realidade” como sertaneja: o vaqueiro, o peão, a roça, o pouso, a fala “própria”, o tempo fora do compasso, mais “lento”.

8 Os limites do espaço imaginado

Buscar nos novos estudos de Geografia e de Paisagens possibilidades de interpretações que contemplem essa nova perspectiva. Não deverá haver afastamento das propostas de Durand.


CAPÍTULO III:

1 O Sertão como mito da nacionalidade

O sertão deve mudar sempre para mais longe, à medida que o “progesso” ou o “Brasil” avança sobre ele. Falso mito.

2 O Sertão como travessia da personalidade

Na perspectiva de Durand, o sertão passa a significar a experiência “real” imaginada sobre a existência. As pessoas vivem o sertão como um “estado de espírito” e, por isso, ele está em toda parte. E “sertão não é longe daqui”.

3 O Sertão como cópia “autêntica” da brasilidade

Trata-se de redimensionamento da matriz imaginária geral da humanidade e reconhecer no sertão expressão mais precisa dessa matriz.

3.1 A Dialética da direção

Trata-se de reconhecer o intercâmbio das imagens, do que existe num discurso e que não é próprio dele, como ele projeta, inadequadamente.

3.2 O Discurso do colonizado

Com a tentativa de unificar o discurso, globalmente, o resultado foi a aparecimento de entre-lugares, sobre-coisas, hibridismos, com o aparecimento de um discurso, também global, de questionamentos da hegemonia.

4 Os Marcadores míticos do espaço imaginado

Tratas-se de identificar as fontes que ligam o sertão de Riobaldo às mais diversas tradições míticas, manancial de todas as falas.

5 Os trajetos antropológicos das imagens do sertão

Definir como fontes se apresentam na fala do ex-jagunço Riobaldo e propõe uma nova leitura do espaço, do tempo, da personalidade e da brasilidade.

6 Os limites do sertão de Riobaldo

Definir o alcance da fala de Riobaldo, especificamente, com relação às questões da linguagem, da narrativa e da metafísica. 

7 Topografia do imaginário do Grande sertão:veredas

Pela linguagem de Riobaldo, seu monólogo, localizar ou relacionar o físico com o metafísico, no confronto do homem com o espaço que lhe dá forma. 

8 Topoanálise do sertão imaginado

Interpretação e “mapeamento” do sertão imaginado por Riobaldo, com base nos mitos e imagens que o compões, “que o produziu e depois o cuspiu do quente da boca”.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As de sempre.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 1997.
AUERBACH, Erich. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1976.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renates Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios de literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Ática, 1999.
__________ . Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Editora da UNESP, 1993. Capítulo: Epos e romance (sobre a metodologia do estudo do romance).
BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução Antonio de Pádua Danesi. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
____________. A psicanálise do fogo. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
____________. O Novo espírito científico. Tradução Juvenal Hahne Junior. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1968.
____________. A Formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
BOOTH, Wayne C. A retórica da ficção. Rio de Janeiro: Arcádia, 1980.

CANDIDO, Antonio & CASTELLO, José Aderaldo. Presença da literatura brasileira: das origens ao realismo. São Paulo: Bertrand Brasil, 2008.
CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987.
_________. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.
_________. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2008.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.
DURAND, Gilbert. As Estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução Helder Godinho. 3ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
LIMA, Luiz Costa. Sociedade e discurso ficcional. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.
_________. Vida e mimesis. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.
_________. O controle do imaginário: razão e imaginário no Ocidente. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.
MERCHIOR, José Guilherme. Razão do poema. Ensaios de crítica e de estética. 2ª edição. Rio de Janeiro:  Topbooks, 1996.
PAZ, Octavio. Signos em rotação. 2ª edição. São Paulo: Perspectiva, 1976.
RICOEUR, Paul. Interpretação e ideologias. Organização, tradução e apresentação Hilton Japiassu. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.
__________________. Cenas da enunciação. São Paulo, Cortez, 2008.
SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
SAHLINS, Marshall David. Cultura e razão prática. Tradução Sérgio Tadeu Niemayer Lamarrão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
__________________. Cultura na prática. Tradução Vera Ribeiro. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

0 comentários:

Postar um comentário