Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

O Encoberto.

Vista de um mirante do Parque Nacional Grande Sertão Veredas

"Ah, o meu Urucúia, as águas dele são claras certas. E ainda por ele entramos, subindo légua e meia, por isso pagamos uma gratificação. Rios bonitos são os que correm para o norte, e os que vêm do poente - em caminho para se encontrar com o sol. E descemos num pojo, num ponto sem praia, onde esssas altas árvores - a caraíba-de-flor-roxa, tão urucuiana. E o folha-larga, o aderno-preto, o pau-de-sangue, o pau-paraíba, sombroso. O Urucúia, suas abas. E vi meus Gerais.
"Aquilo nem era só mata, era até florestas! Montamos direito, no Olho-d'Água-das-Outras, andamos, e demos com primeira vereda - dividindo as chapadas -: o flaflo de vento agarrado nos buritis, franzindo no gradeal de suas folhas altas; e, sassafrazal - como o da alfazema, um cheiro que refresca; e aguadas que molham sempre. Vento que vem de toda parte. Dando no meu corpo, aquele ar me falou em gritos de liberdade. Mas liberdade - aposto - ainda é só alegria de um pobre caminhozinho, no dentro do ferro de grandes prisões. Tem uma verdade que se carece de aprender, do encoberto, e que ninguém não ensina: o beco para a liberdade se fazer. Sou um homem ignorante. Mas, me diga o senhor: a vida não é coisa terrível? Lengalenga. Fomos. Fomos." JGR, GSV, p.322-323.


Tudo cifrado: o reconhecimento nas águas claras do Rio Urucúia; a pureza na origem; a busca do sol/luz; as cores; as sombras; as abas; a verdade encoberta; o caminho para a liberdade; o aprendizado; o espaço/beco em que liberdade se faz. Sem tempo. Puro espaço.

0 comentários:

Postar um comentário