Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Do sublime oculto

Imagem de casaalmarespachwork.com

Maçã
Por um lado te vejo como um seio murcho
Pelo outro como um ventre de cujo umbigo pende ainda o cordão [placentário

És vermelha como o amor divino

Dentro de ti em pequenas pevides
Palpita a vida prodigiosa
Infinitamente

E quedas tão simples 
Ao lado de um talher 
Num quarto pobre de hotel.

Manuel Bandeira, 25/2/1938.

Primeiro peço desculpas por quebrar o "cotovelo" da primeira estrofe (não consegui mantê-lo íntegro). Depois, gostaria de registrar aqui a sensibilidade e o arsenal teórico com que David Arrigucci Jr analisa esse poema de Bandeira em Humildade, Paixão e Morte: a poesia de Manuel Bandeira, Companhia das Letras, 1990. Da descrição da "natureza morta" da poesia como pintura que fala para olhos mudos aos arquétipos da vida e da morte e do amor divino. A simplicidade que se concebe como conhecedora do fato de que esconde o complexo da vida, infinitamente. "O infinitamente grande é visto na perspectiva do infinitamente pequeno: o maior dos mistérios, o da vida, se concentra numa parte ínfima da fruta. Nas pequenas pevides se oculta o sublime". "Assim, na maçã se encerra uma lição de vida e de poesia, pois imitando-a, se reconhece um ideal de estilo na simplicidade natural. E por ela, por fim se entende que a poesia, como a natureza, ama ocultar-se".

0 comentários:

Postar um comentário